Piso graniliteA troca do piso cerâmico por granilite nos ambientes internos da Santa Casa de Cândido Mota era um sonho antigo que começou a se realizar em junho deste ano, sendo possível em razão de emenda parlamentar indicada à Entidade no ano de 2017, pelo Deputado Federal Capitão Augusto, intermediado pelo Vereador Municipal David Leiteiro.

Desde 2017, o projeto arquitetônico cadastrado no Fundo Nacional de Saúde (FNS), passou por diversas alterações até ser finalmente aprovado pelo sistema de convênios do Governo Federal, Plataforma +Brasil (antigo SICONV), e pela Caixa Econômica Federal, órgãos responsáveis pela avaliação da viabilidade, aprovação e execução do cronograma técnico, como também da fiscalização das obras e da liberação do pagamento à empresa executora, nos prazos estipulados pelos órgãos deliberativos. 

Devido ao atual cenário de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (COVID-19), alguns processos sofreram modificações, resultando em quatro etapas: a primeira fase do projeto foi realizada nos meses de junho e julho, com a troca do piso cerâmico pelo granilite de seis quartos; do berçário, e, do corredor de acesso. A segunda fase se iniciou em 10 de agosto, com a execução da reforma da última parte da unidade de internação, abrangendo o corredor de acesso; todos os nove quartos; a Capela; a sala da enfermagem; o corredor de acesso ao setor administrativo; e, a sala do serviço social. A terceira e quarta etapa contemplarão a sala da enfermagem e da pediatria na unidade de internação; os corredores centrais de acessos da unidade de observação e pronto atendimento; todos os quartos e os consultórios médicos; as salas de exames e da equipe de enfermagem. Porém, estas duas últimas etapas serão realizadas conforme a condição das atividades hospitalares à época das obras.

Segundo o arquiteto responsável pelo projeto, Alessandro Luis Ferreira (CAU/SP A22136-8): “A aplicação do piso cerâmico acarretou uma série de problemas ao prédio da Santa Casa, como o excessivo número de juntas, aumentando a possibilidade de proliferação de bactérias e fungos, além do transtorno do barulho intenso (objeto constante de reclamação pelos usuários que ficam internados ou em observação), causado pelos carrinhos de serviços usados pelos funcionários quando os mesmos trafegam pelo piso; a despadronização do piso cerâmico, pois como foram instalados em períodos distintos, existem vários tipos de piso com cores e texturas diversas, aplicados nos diferentes ambientes do prédio; muito desses diversos pisos cerâmicos apresentam desgastes acentuados que comprometem a qualidade e a estrutura das peças, assim como podemos facilmente encontrar pisos cerâmicos quebrados ou completamente soltos no chão em vários ambientes; devido ao espaçamento incorreto das juntas entre as peças, houve a dilatação do piso e as peças se projetaram para cima ou trincaram numa determinada direção dentro dos ambientes.”

A reforma do piso sempre esteve entre as prioridades, uma vez que o prédio da Santa Casa de Cândido Mota foi construído na década de 1970, e com o passar dos anos, em virtude do crescente aumento da demanda e das novas necessidades que foram surgindo, essa edificação foi sendo ampliada, sempre empregando piso cerâmico devido à facilidade de aquisição e também doação, e a praticidade na colocação, ação mais viável à Entidade de executar, devido à falta de recursos financeiros próprio. Assim, a diretoria administrativa e a equipe de colaboradores da Santa Casa pedem aos usuários e à comunidade em geral, compreensão e paciência, pois nos próximos meses, o fluxo de atendimento estará sendo realinhado conforme a situação que se apresentar, levando em consideração também o fluxo de atendimento aos casos de coronavírus. “Esta obra da troca dos pisos no ambiente interno da Entidade é mais uma conquista que vem com o objetivo de favorecer os usuários da Santa Casa. O apoio que a administração vem recebendo das autoridades e órgãos públicos envolvidos e principalmente, da população, são revertidos em melhorias para a Santa Casa, em relação aos funcionários e corpo clínico, e consequentemente aos usuários”, acrescenta o Provedor, José Augusto.

Atualizado em 21 de agosto de 2020.